quinta-feira, 15 de março de 2012

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CULTURA E DESPORTO
PRAÇA 29 DE DEZEMBRO Nº 57
DEPARTAMENTO DE ENSINO










Cortês,2012


                                               PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

Projeto Político Pedagógico indica o rumo que a escola deve percorre, correspondendo às tomadas de decisões educacionais pelos agentes escolares que o concebem, planejando, executando e avaliando sempre, tendo por base a organização do trabalho escolar de forma integral. É, portanto, um instrumento teórico – metodológico que a escola elabora de forma coletiva com a participação da comunidade escolar, em busca de um caminho que remeterá à realização da melhor maneira possível da função educativa.

IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE NA (RE) CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Quando a escola é capaz de construir, implementar e avaliar a sua Proposta Pedagógica, coletivamente, ela propício uma educação de qualidade, exercendo a sua autonomia pedagógica, conforme o art. 14 da Lei 9394/96 que preceitua sobre a questão democrática do sistema de ensino público.O Trabalho participativo descentralizado as decisões e leva à consciência critica, criando e desenvolvendo instâncias coletivas como, os Conselhos Escolares.

DIMENSÕES QUE ALICERÇAM O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Pedagógica: diz respeito ao trabalho da escola como um todo:

Atividades desenvolvidas dentro e fora da sala de aula;
Forma de Gestão;
Abordagem curricular;
Relação escola/comunidade.

Administrativo: refere-se aos aspectos gerais de organização da escola;Gerenciamento do quadro de pessoal, do patrimônio físico, da merenda e outros pontos da vida escolar.

Financeiro: relacionamento às questões de captação e aplicação de recursos financeiros, repercutindo sempre em relação ao desempenho pedagógico do aluno.

Jurídica: trata da legalidade das ações e a relação da escola com outros esferas do sistema de ensino e com outras instituições do meio em que está inserida.

MOBILIZAÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR PARA (RE)CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO.

A primeira providencia a ser tomada, antes de iniciar o processo de mobilização para (re)construção da Proposta Pedagógica, é levantar os dados de identificação da escola que permitam, a sua caracterização legal(processo de criação/ transformação), histórica (data e motivos do surgimento) ou administrativa (vinculo com o sistema de ensino). Para isso, a equipe gestora poderá desenvolver alguns procedimento tais como:

• Pesquisar nos arquivos da secretaria escolar dados de natureza legal, administrativa, cientifica e cultural;
• Coletar nas Gerências Regionais de Educação – GRE´s ou na Secretaria Estadual de Educação informações relacionadas à presença da escola estado;
• Verificar se o surgimento da escola está ligado às necessidade e às organizações dos segmentos comunitário que a ela quiserem ter acesso entrevistando os moradores mais antigos;
• Buscar informações com os primeiros professores, alunos agressos e/ou outros profissionais que trabalharam na escola.

CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLAR

Identificação da Escola: nome, endereço completo, distrito, região, tipo da escola, localização/zona, esfera administrativa a que pertence, propriedade do prédio, situação institucional (mantenedor, atos de autorização de reconhecimento, CNPJ, etc) e a reconstituição da história da escola: como nasceu a idéia de sua instalação, quando foi criada e quando começaram suas atividades, as sofreu alteração ao longo dos anos, com acréscimos de séries ou grau, por que razões, etc.

Diagnóstico da situação da Escola: revela os aspectos interno e externo à realidade da escola, destacando aspectos positivos e aqueles que requerem mudanças no contexto escolar.

Estrutura Física: discriminação minuciosa da estrutura física da escola contendo o tipo e quantidade de dependências, suas dimensões, estado de conservação e adequação das instalações escolares. Além desses dados, são incluídas as informações sobre: terreno, área que a escola ocupa, salas de aulas, espaços para áreas esportivas, áreas livres, hortas comunitária, situação da construção, do acabamento do forro, do piso, do cercamento, salas da diretoria, da secretaria, bibliotecas, salas-ambiente, salas de vídeo, horta escolar, área de lazer, salas de professores, laboratórios, depósitos, cozinha, sanitário para alunos e professores, com suas respectivas demissões e estado de conservação. Podem ser incluídos, também neste item, os tipos de serviços disponíveis na escola tais como: água, rede de esgoto ou de tratamento de água, linha telefônicas, energia elétrica, etc. quando estes dados são colocados em quadros, a visibilidade e, conseqüentemente, análise mais fáceis.

Mobiliário, equipamento e recursos materiais: especificação, quantidade, departamento em que está lotado, estado de conservação relativo a carteiras escolares, quadro de giz e/ou acrílico, armário, equipamento de cozinha, de jardinagem, limpeza, mobiliários para os alunos, cadernos, textos. Livro na biblioteca, vistas de vídeo, máquinas de Xerox,fax, aparelhos de televisão, de vídeo, gravadores, antenas parabólicas, lápis, giz, projetores de slides, retroprojetores, filmadoras, micro-computadores, painel, etc.A escola pode criar seus próprios quadros para relacionar as informações de que necessita e tem possibilidades de levantar. Neste item podem também ser anotados, por exemplo, as condições de manutenção dos equipamentos quais estão em garantia, quais estão no seguro, quais precisam de consertos e informações sobre o tipo de organização dos arquivos da escola, as pendências administrativas ou das condições atuais dos serviços de secretaria por exemplo, podem também ser levantadas.

Dados sobre o aluno:
• Perfil dos alunos: como vivem, o que fazem, pretensões dificuldades, problemas (evasão, repetência, distorção idade/série).

Dados sobre os profissionais de educação:
• Perfil: qualidade dos profissionais, diretores, supervisores pedagógicas e todos os recursos humanos de que a escola dispõe. Deve-se relacionar: nome completo do servidor, grau de escolaridade, função, tempo de serviço na escola e no serviço público, disciplina que ministra (no caso de docentes), carga horária semanal, dedicação exclusiva ou não cursos realizados, etc;
• Freqüência em reuniões pedagógicas e de estudos;
• Interesses e preferências no plano cultural, de entretenimento, de conhecimento ou de pretensões.

Dados sobre a organização curricular
• A definição da organização curricular a ser desenvolvida na escola deve representar o esforço de superação de uma visão meramente prescritiva de currículo, expressa nos Quadros Curriculares. Em sua formação devem ser considerados elementos diversos, tais como: os conteúdos a serem desenvolvidos, em cada série ou ciclo, a articulação entre as diversas áreas do conhecimento, as metodologias e estratégias, o aproveitamento do tempo escolar, calendário escolar adaptado à realidade da escola,o processo de avaliação e outros. Importante também considerar as normas legais sobre o assunto, tanto da LDB (artigo 9º, 23, 26, 27, 28, 33 e 36) quanto dos Conselheiros de Educação (Nacional e Estadual), o que será sistematizado no Regimento Escolar.

Dados do contexto extra-escolar
• Papel da comunidade no processo educativo: (Relação com as famílias, com os participantes das associações locais e dos órgãos administrativo de ensino, dentre (outros);
• Caracterização da família no que se refere aos aspectos sócio-econômico cultural.
• Para realização do diagnóstico, a equipe gestora poderá lançar mão de várias estratégias de mobilização, tais como:
• Aplicação de questionamento com pais e alunos para avaliação do trabalho que a escola desenvolve;
• Realização de assembléia com os pais de alunos para discussão dos problemas e proposta da escola;
• Discussão em sala de aula com os alunos para reflexão sobre dificuldades/problemas da escola e apresentação de sugestões de superação;
• Reunião com professores para refletir sobre as práticas pedagógicas e outros fatores que interferem na qualidade do trabalho na escola;
• Realização de fóruns ou ciclos de debates envolvidos professores, alunos, funcionários técnicos-administrativo e de apoio, representantes da comunidade para discussão dos problemas e das potencialidade da escola.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Aponta para a construção coletiva da bagagem intelectual de cada profissional da instituição, com base no referencial teórico, visando a definição de um paradigma de educação que alicerce a prática pedagógica de escola a partir da critica de sua verdade (escola que temos) em direção à realidade futura (escola queremos).È imprescindível que a equipe esteja consubstanciando no bojo de sua fundamentação teórica e essencialização de uma prática educativa que vislumbre a concepção de sociedade, de educação, de escola, de aluno, de currículo, de conhecimento, de ensino, de aprendizagem e de avaliação, visto que o grande desafio a ser enfrentado na construção da proposta pedagógica da escola é a priorização de um referencial teórico, alicerçado por princípios que definam a identidade da escola que queremos.Para envolver o coletivo da escola nesse segundo momento, a equipe gestora poderá adotar algumas estratégias de mobilização:

• Criação de história e espaços educativos diferenciados, visando estabelecer momentos de difusão coletivas:
• Concentração em dia(s) e/ou turno(s) semanais das atividades dos professores, de acordo com cada componente curricular e carga horária mínima definida por lei, visando à formação de segmentos de estudo e à reflexão coletiva do projeto pedagógico;
• Criação de oportunidade para que as entidades estudantis, como os grêmios, possam ajudar nas discussões com os demais alunos, no caso de escolas que trabalham com muitos alunos;
• realização de reuniões entre pais, representantes de turmas e/ou séries e os membros do Conselho Escolar para avaliação do trabalho da escola;
• Sensibilização dos pais mais participativos para que seja um elo eficiente entre os vários segmentos da escola e a comunidades local.

OBJETIVOS

Estabelecer alinha geral do Projeto Pedagógico da escola, definindo o que se quer atingir.Os objetivos devem partir das informações detectadas pela análise diagnóstica, convergindo para a descrição clara e precisa dos resultados que a escola pretende alcançar.

Objetivo Geral – Descrição clara e precisa que define o ponto de chegada, relacionado com o plano de metas da SEMED, com ênfase na formação individual e social do aluno. Expressa algo que a escola deve alcançar a longo prazo, coerente com a justificativa.

Objetivo Específico - Descrição clara e precisa dos resultados que a escola pretende alcançar tomando como base o objetivo geral para atingir o resultado final pretendido. Expressa algo que a escola deve alcançar a curto prazo.

METAS

A definição das metas implica na descrição clara e precisa das ações a serem desenvolvidas pela escola, com especificação de prazo, percentuais, ou outras indicações que delimitem a ação. Isto é representa a qualidade dos objetivos pela escola em função do diagnóstico.


AÇÕES

É importante a agrupamento das ações por tema conforme sua natureza, priorizado aquelas que permitirão o alcance das metas e objetivos.A seleção das ações estratégias devem levar em conta a concepção pedagógica, os princípios e objetivando já definidos pela equipe escolar para a instituição.A titulo de exemplificação, as estratégias pela equipe escolar poderiam ser:
• A criação dce tempo e de espaço na aula para discussão de vivências de problemas sociais;
• A condução de diagnósticos sociais, com levantamento de questões de saúde, de segurança, de meio ambiente, de transporte...;
• O uso de rádio comunitário ou jornal local para fazer campanhas e oferecer serviços;
• A vivência de atividades esportivas, artísticas de teatro, vídeo, desenhos, pinturas, música dança, além de produções culturais a serem apresentadas para a escola e extra-escola;
• Articular a formação de equipe de agentes de segurança para coordenar a ação de proteção à escola, assim como equipe de agentes de limpeza e saúde;
• A manutenção/expansão de um sistema de monitoria no qual alunos possam socializar seus conhecimentos com colegas de aprendizagem lenta;
• A expansão e implementação do processo de aceleração de estudos para equilibrar a distorção idade/série;
• A manutenção sistemática de circulo de palestra com foco nos temas transversais, aproveitando pessoas da comunidade;

Definição de tempo e de espaço para formação continuada, tais como: oficinas pedagógicas, grupos de estudos, troca de experiências bem sucedidas e/ou práticas pedagógicas.Nesse movimento de construção da Proposta Pedagógica, é muito importante que a equipe gestora não perca de vista a necessidade de identificação dos responsáveis por determinadas ações assumidas no coletivo. Para assegurar isso, são fundamentais encontros periódicos com o coletivo da escola para discussão e avaliação de como as ações estão sendo encaminhadas efetivamente.Para evitar imprevisão, é importante a escola trabalhar com cronograma. Ou seja, calendário e horários escolares bem definidos, afim de assegurar o acompanhamento e a avaliação das ações que estão sendo desenvolvidas.É importante considerar ainda, a necessidade de redação do documento que tratará todo processo desenvolvido pela escola.

AVALIAÇÃO

Os mecanismos de avaliação do Projeto Político Pedagógico se constitui em instrumento de avaliação dos próprios objetivos, metas estratégias propostas. Faz-se necessário mostrar, de forma clara, os mecanismos utilizados (fichas de acompanhamento, relatório de reunião com a comunidade escolar) e a sua periodicidade.Para fazer a avaliação do que foi executado é muito importante eleger indicadores a partir das metas estabelecidas e a partir das formas de verificação utilizadas para o funcionamento, faz-se periodicamente a análise dos resultados alcançados permitindo o planejamento e replanejamento das ações.O monitoramento e avaliação do projeto Político Pedagógico será realizado através de fontes de verificação obedecendo a uma periodicidade estabelecida previamente e de forma participativa intra e extra escolar.Neste sentido, é necessária a avaliação institucional, que avalia a escola como todo, onde todos que dela participam são sujeitos avaliadores e avaliados.Assim, abrangência é bem maior do que a avaliação da aprendizagem, buscando identificar como está funcionando a instituição, ou seja, como está o desempenho dos professores? Como estão sendo desenvolvidas as atividades que levam os alunos aprenderem e a se tornarem cidadãos? A participação dos pais? A gestão da escola?A avaliação da aprendizagem refere-se a avaliação dos níveis de conhecimentos adquiridos pelos alunos; o avaliado é sempre o aluno e o avaliador é o professor, funciona em forma de diagnostico, orientação e registro. Enquanto, avaliação institucional refere-se à avaliação das instituições, como a escola, e de políticas públicas; Todos os que fazem a instituição são avaliados e avaliadores; Funciona em três modalidade: diagnóstica, processual e de resultados.

Fonte : Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário